Lisbon & Estoril Film Festival

Filmes

Sessões Especiais - Foco Mathieu Amalric

Ficha técnica:

Realizador: Mathieu Amalric
Fotografia: Mathieu Amalric
Produtora: Les Fils De

C’est Presque Au Bout Du Monde

Um filme de Mathieu Amalric

Voltar
“De onde vêm estas vozes inumanas? Onde, no corpo, tem a inquietante anomalia do canto a sua fonte, a sua doçura e a sua potência?”
(M. Amalric)


O filme fará parte da sessão Three Music Films, juntamente com duas outras curtas do realizador.
  • Elenco:

    Barbara Hannigan, Simon Rattle
  • Título original:

    C’est Presque Au Bout Du Monde
  • País:

    França
  • Ano:

    2015
  • 15'

Ficha técnica:

Realizador: Mathieu Amalric
Fotografia: Mathieu Amalric
Produtora: Les Fils De

Horários

Cinema Medeia Monumental Sala 1

Com a presença de Mathieu Amalric
COMPRAR

Realizador

Mathieu Amalric

Mathieu Amalric é um actor e realizador francês. Aos dezoito anos, um pequeno papel em Les Favoris de la lune de Otar Iosseliani despertou nele um interesse pelos bastidores do cinema, chegando a desempenhar funções técnicas como assistência de realização.

Realiza a sua primeira curta-metragem em meados dos anos 80, Marre de café, e de seguida Sans Rires (1991), filme que apresentou no Festival Premiers Plans d’Angers. É nesta ocasião que encontra Arnaud Desplechin, que lhe ofereceu, anos mais tarde, um papel em Comment je me suis disputé…(ma vie sexuelle), filme que lhe valeu o César de Melhor Actor Revelação em 1997. No mesmo ano, realiza a sua primeira longa-metragem autobiográfica, Mange ta soupe.

Em 2004, regressa ao seu realizador fétiche, Arnaud Desplechin, no filme Rois et Reine, pelo qual recebeu o César de Melhor Actor. Também cortejado pelo cinema americano, participou em Munique de Steven Spielberg, O Escafandro e a Borboleta de Julian Schnabel, Quantum of Solace de Marc Forster e, mais recentemente, em The Grand Budapest Hotel de Wes Anderson.

Regressou à realização em 2010 com Tournée, a sua quarta longa-metragem. Foi premiado com o Prémio de Melhor Realização no Festival de Cannes consagrando-se assim, cada vez mais, o seu estatuto enquanto realizador. Em 2014 realizou La Chambre Bleue, uma adaptação do romance de Georges Simenon, apresentado na secção Un Certain Regard no Festival de Cannes.

Em 2016 foi actor em À Jamais, um filme de Benoît Jacquot, uma adaptação da obra The Body Artist de Don DeLillo, em Le secret de la chambre noire, de Kiyoshi Kurosawa e foi ainda protagonista do mais recente filme de Arnaud Desplechin, Les fantômes d'Ismaël, com estreia marcada em Portugal para o final deste ano.

Nesta edição do Festival de Cannes, o seu último filme, Barbara, uma biografia da cantora de culto francesa, venceu o Prémio Poesia no Cinema na secção Un Certain Regard.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.