Lisbon & Estoril Film Festival

Convidados

Adolfo Luxúria Canibal e Mão Morta - Músicos

Adolfo Luxúria Canibal e Mão Morta

Voltar
Adolfo Luxúria Canibal é o pseudónimo artístico de Adolfo Morais de Macedo, nascido em Luanda, Angola. Licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa, exerceu advocacia até 1999 e é consultor jurídico.

Foi fundador, vocalista e compositor dos grupos Auaufeiomau (1981-1984), PVT Industrial (1984) e Mão Morta (desde 1984). Com os Mão Morta gravou mais de uma dezena de álbuns de originais, entre eles o sucesso Mutantes S.21 (1992), Primavera de Destroços (2001), ou o mais recente álbum da banda, No fim era o frio (2019), composto originalmente para a peça homónima que a coreógrafa Inês Jacques criou em conjunto com a banda e que foi apresentada este ano no festival Guidance. Luxúria Canibal também concebeu espectáculos multimédia e participou como actor numa série para televisão.

Autor de textos e crónicas dispersas por jornais, revistas e rádios, editou os livros Rock n’ Roll, Estilhaços e Todas as ruas do mundo, o livro-objecto artístico Desenho Diacrónico em conjunto com Fernando Lemos, e acaba de lançar este ano o conjunto de crónicas Garatujos do Minho e a antologia poética No Rasto dos Duendes Eléctricos. O músico multifacetado, que é uma figura influente da cultura Portuguesa, traduziu autores como Heiner Müller e Vladimir Maiakovski, participou como vocalista e letrista em diversos discos e espectáculos de mais de uma dezena de grupos e artistas, tanto Portugueses como estrangeiros, como Pop Dell'Arte, Clã, Moonspell, WrayGunn, Houdini Blues, Pat Kay & The Gajos e Steve MacKay, e fez ainda parte do grupo francês Mécanosphère (2000-2009), do qual foi vocalista.

Mão Morta

O grupo Mão Morta foi criado em 1984 em Braga por Joaquim Pinto, Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal. Em 1986, a banda ganha o Prémio Originalidade no III Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vous, o que lhe traz as primeiras críticas positivas da imprensa. É convidado para a primeira parte de grupos estrangeiros como Gun Club, Wire ou Nick Cave e começa a rodar por todo o país. Grava o seu primeiro disco, homónimo, em 1988, e este é entusiasticamente recebido, nomeadamente por personalidades como Nick Cave ou Jello Biafra (Dead Kennedys). Em 1993 edita Mutantes S.21, que se torna um êxito, e assina com a BMG. O seu mais recente álbum, No Fim Era o Frio, editado em 2019, junta-se aos outros 19 álbuns da sua discografia, grande parte deles sistematicamente incluídos nos diversos balanços dos melhores discos de sempre da música portuguesa.

Restantes Convidados desta Edição

Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.