Lisbon & Estoril Film Festival

Arquivos

Edição 2021

Filmes

Homenagens e Retrospectivas - Cristi Puiu

Prémios:

Festival de Cannes 2005 – Vencedor Prémio Un Certain Regard
Festival de Chicago 2005 – Vencedor Prémio Especial do Júri

Ficha técnica:

Argumento: Cristi Puiu, Razvan Radulescu
Fotografia: Andrei Butica, Oleg Mutu
Produção: Bobby Paunescu

A Morte do Sr. Lazarescu

Um filme de Cristi Puiu

Voltar
Lazarescu, um viúvo de 63 anos, vive em Bucareste, num precário apartamento, com os seus gatos. Uma noite, após sofrer fortes dores de cabeça e de estômago, chama uma ambulância, iniciando assim a odisseia para ser atendido nas urgências. Uma vez que os médicos divergem quanto ao diagnóstico e se recusam a operá-lo, Lazarescu é transportado de hospital em hospital por um paramédico, pondo a descoberto a realidade do sistema de saúde romeno.
  • Elenco:

    Ion Fiscuteanu, Doru Ana, Luminita Gheorghiu, Gabriel Spahiu
  • Título original:

    Moartea domnului Lãzãrescu
  • País:

    Roménia
  • Ano:

    2005
  • 148' Legendas: PT

Prémios:

Festival de Cannes 2005 – Vencedor Prémio Un Certain Regard
Festival de Chicago 2005 – Vencedor Prémio Especial do Júri

Ficha técnica:

Argumento: Cristi Puiu, Razvan Radulescu
Fotografia: Andrei Butica, Oleg Mutu
Produção: Bobby Paunescu

Realizador

Cristi Puiu

Nascido na Roménia, em 1967, Cristi Puiu é artista, realizador, argumentista e produtor, conhecido pela utilização da câmara de filmar como instrumento de uma abordagem antropológica ao cinema. Estreou-se na realização com Stuff and Dough (2001), tendo fundado, três anos depois, a produtora Mandagrora, em conjunto com a sua mulher, Anca Puiu, também realizadora, e Alex Munteanu, produtor. Em 2005, a Mandragora assina a sua primeira produção e a segunda longa-metragem de Cristi Puiu, A Morte do Sr. Lazarescu. É com esta obra que o realizador marca presença pela primeira vez nos grandes festivais, nomeadamente em Cannes, onde venceu o Prémio de Melhor Filme na Secção Un Certain Régard. A sua terceira longa-metragem, Aurora, estreou-se igualmente na mesma secção do Festival de Cannes, em 2010, tendo integrado a Competição do Estoril Film Festival. Da sua filmografia destacam-se ainda Sieranevada (2016), também seleccionado para a competição oficial de Cannes e igualmente reconhecido. Em 2020, com Malmkrog, venceu o Prémio Encounters para Melhor Realizador, no Festival de Berlim.

A obra de Cristi Puiu rege-se pela sua constante reflexão sobre os valores morais e as conceptualizações filosóficas, e é pautada pelas referências à literatura e por uma busca libertária das fronteiras do savoir-faire cinematográfico, assim como da própria condição humana.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.