Lisbon & Estoril Film Festival

Filmes

Ciclos Temáticos - A Morte de Deus

Prémios:

Festival de Cannes – 1999 – Nomeado - Prémio Un Certain Regard

Ficha técnica:

Argumento: João César Monteiro
Director de Fotografia: Mário Barroso
Editor: Joaquim Pinto
Produção: Paulo Branco

As Bodas de Deus

Um filme de João César Monteiro

Voltar
Longa-metragem que encerra a trilogia de João César Monteiro dedicada a João de Deus, figura central de Recordações da Casa Amarela (1989) e A Comédia de Deus (1995). Uma comédia de humor satírico e provocante onde são contadas as peripécias do marginal João de Deus, após um encontro afortunado com um enviado de Deus.

Exibição em cópia 35mm gentilmente cedida pela Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema.
  • Elenco:

    João César Monteiro, Joana Azevedo, Rita Durão, José Airosa, Manuela de Freitas, Luís Miguel Cintra, Ana Velazquez
  • Título original:

    As Bodas de Deus
  • País:

    Portugal, França
  • Ano:

    1999
  • 150’ Legendas: EN

Prémios:

Festival de Cannes – 1999 – Nomeado - Prémio Un Certain Regard

Ficha técnica:

Argumento: João César Monteiro
Director de Fotografia: Mário Barroso
Editor: Joaquim Pinto
Produção: Paulo Branco

Horários

Cinema Medeia Nimas

Apresentado pelos curadores do ciclo e pelo produtor Paulo Branco

Bilhetes: 5€

Realizador

João César Monteiro

João César Monteiro nasce a 2 de Fevereiro de 1939 e morre a 3 de Fevereiro de 2003. Em 1963, com 15 anos, recebe uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para estudar cinema na London Film School. Dois anos depois regressa a Portugal para realizar o seu primeiro filme, Quem Espera por Sapatos de Defunto Morre Descalço (1971). Atualmente, o seu trabalho como realizador tem sido objeto de estudo para portugueses e estrangeiros, críticos e académicos, que o reconhecem como um dos mais importantes realizadores portugueses juntamente com Manoel de Oliveira. Várias das suas obras são representadas e premiadas em festivais internacionais como o Festival de Cannes e o Festival de Veneza: Silvestre (1981) foi apresentado no Festival de Veneza, festival onde regressa com Recordações da Casa Amarela (1989) e ganha o Leão de Prata. Novamente em Veneza com A Comédia de Deus (1995) recebe o Grande Prémio Especial do Júri.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.