Lisbon & Estoril Film Festival

Filmes

Homenagens e Retrospectivas - Jane Campion

Ficha técnica:

Argumento: Jane Campion, Susanna Moore (co-argumentista a partir do seu livro), Stavros Kazantzidis
Director de Fotografia: Dion Beebe
Produção: Nicole Kidman, Laurie Parker

In the Cut – Atracção Perigosa

Um filme de Jane Campion

Voltar
Este thriller melancólico e de início lento põe Meg Ryan (que interpreta Frannie, uma professora de escrita criativa) num tipo de registo mais vincadamente erótico que contraria as expectativas de um público mais habituado a vê-la como rainha das comédias românticas. Quando inicia um tórrido caso amoroso com um detective (interpretado por Mark Ruffalo) que investiga uma série de assassínios aparentemente interligados, depois de servir de testemunha ocasional, Frannie começa gradualmente a interrogar-se, à medida que mais crimes ocorrem e que a investigação prossegue, e através da evolução dos acontecimentos, se o procurado serial killer não será na verdade alguém que conhece – quem sabe mesmo se a sua nova paixão escaldante…
  • Elenco:

    Meg Ryan, Mark Ruffalo, Jennifer Jason Leigh
  • Título original:

    In the Cut
  • País:

    Estados Unidos da América, Reino Unido, Austrália
  • Ano:

    2003
  • 119’ Legendas: PT

Ficha técnica:

Argumento: Jane Campion, Susanna Moore (co-argumentista a partir do seu livro), Stavros Kazantzidis
Director de Fotografia: Dion Beebe
Produção: Nicole Kidman, Laurie Parker

Horários

Centro Cultural Olga Cadaval Auditório Acácio Barreiros

Bilhetes: 5€

Realizador

Jane Campion

Jane Campion é uma realizadora e argumentista neozelandesa cujos filmes frequentemente retratam personagens femininas que vivem à margem da sociedade. É a segunda de cinco mulheres nomeadas para o Óscar de Melhor Realização e a primeira – a segunda foi Julia Ducournau, na edição deste ano – mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cannes. Entre as suas obras contam-se os notáveis The Piano (1993), In the Cut – Atracção Perigosa (2003) e Estrela Cintilante (2009). The Power of the Dog, a sua mais recente longa-metragem, que integra a retrospectiva que o LEFFEST dedica a Campion, valeu-lhe o Leão de Prata para Melhor Realização no Festival de Veneza.

Apesar de os seus pais estarem envolvidos na cena de teatro da Nova Zelândia, Campion inicialmente rejeitou uma carreira nas artes dramáticas. Licenciou-se em Antropologia na Victoria University of Wellington (1975), e mais tarde completou um mestrado em Artes Visuais (Pintura) na University of Sydney (1981). Decide, entretanto, enveredar pelo cinema e matricula-se na Escola Australiana de Cinema, Televisão e Rádio (1984). Durante este período, realizou várias curta-metragens, entre elas Peel (1982), que ganhou a Palma de Ouro na categoria de Curta-Metragem no Festival de Cannes em 1986. A sua primeira longa-metragem, Sweetie (1989), destacou-se em Cannes e ganhou alguns prémios internacionais. Um Anjo à Minha Mesa (1990), um filme biográfico sobre a vida da escritora neozelandesa Janet Frame, trouxe-lhe mais reconhecimento. Com O Piano (1993), venceu a Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1993 e um Óscar de Melhor Argumento Original. O filme foi também nomeado para o Óscar de Melhor Filme, e Campion para o Óscar de Melhor Realizador(a). Os seus filmes subsequentes incluem: Retrato de Uma Senhora (1996), uma adaptação do romance de Henry James protagonizada por Nicole Kidman e John Malkovich, Fumo Sagrado (1999), com Kate Winslet e Harvey Keitel, e o thriller In the Cut – Atracção Perigosa (2003), com Meg Ryan, Mark Ruffalo e Jennifer Jason Leigh. Mais recentemente, co-escreveu e co-realizou a série de televisão Top of the Lake – Margens do Paraíso (2013, 2017), aclamada pela crítica e um sucesso comercial.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.