Lisbon & Estoril Film Festival

Filmes

Homenagens e Retrospectivas - Tony Gatlif

Prémios:

Festival de Cannes 1993 – Vencedor da Secção Un Certain Regard
Sociedade Nacional de Críticos de Cinema dos Estados Unidos – Menção Especial

Ficha técnica:

Argumento: Tony Gatlif
Director de Fotografia: Éric Guichard
Montagem: Nicole Berckmans
Produção: Michèle Ray Gavras

Latcho Drom

Um filme de Tony Gatlif

Voltar
Um retrato poético da cultura cigana, que acompanha as viagens realizadas pela comunidade Rom, desde a Índia, passando pelo Egipto, Turquia, Roménia, Hungria, Eslováquia, França e Espanha. Seguindo o percurso de diversas bandas, músicos e bailarinos da cultura cigana, este filme (que oscila entre vários géneros) é uma espécie de ensaio etnográfico, íntimo e apaixonado, sobre este povo.
  • Elenco:

    La Caita
  • Título original:

    Latcho Drom
  • País:

    França
  • Ano:

    1993
  • 103' Legendas: PT

Prémios:

Festival de Cannes 1993 – Vencedor da Secção Un Certain Regard
Sociedade Nacional de Críticos de Cinema dos Estados Unidos – Menção Especial

Ficha técnica:

Argumento: Tony Gatlif
Director de Fotografia: Éric Guichard
Montagem: Nicole Berckmans
Produção: Michèle Ray Gavras

Horários

Teatro Tivoli BBVA

Apresentado por Luciana Fina
A Música no Cinema de Tony Gatlif
, conversa com Tony Gatlif e Caliu

Bilhetes: 6€

Realizador

Tony Gatlif

Nascido em 1948, em Argel, com o nome Michel Dahmani, Tony Gatlif deixou a capital argelina na viragem dos anos 60 rumo a França. A sua estreia como realizador dá-se em 1975, com La Tête en ruines. No início dos anos 80 realiza Corre Gitano, a sua primeira obra sobre a condição do povo cigano. Depois de Les Princes (1983), com o qual obtém o reconhecimento da crítica, prossegue o seu trabalho sobre a cultura rom em Latcho Drom (1992), um documentário sobre a música cigana que ganhou o prémio da secção Un Certain Regard no Festival de Cannes. Em 1997, com o elogiado Gadjo Dilo, sobre um jovem francês que viaja até à Roménia em busca de uma cantora desaparecida, conquista o Leopardo de Prata no Festival de Locarno. Os seus filmes já estiveram por diversas vezes na Secção Oficial do Festival de Cannes, que lhe atribuiu, em 2004, pelo autobiográfico Exílios, o Prémio de Realização. Tom Medina (2021), também estreado em Cannes, é o seu 19.º filme, antecedido por outras obras de relevo como Korkoro (2009), Indignados (2012), Geronimo (2014) ou Djam (2017).
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.