Lisbon & Estoril Film Festival

Filmes

Sessões Especiais - CinemART

Lightning Dance

Um filme de Cecilia Bengolea

Voltar
Lightning Dance investiga a influência do tempo de trovoada na imaginação corporal. Na companhia de Craig Black Eagle, Oshane Overload-Skankaz, e das suas respectivas equipas, Cecilia Bengolea apresenta coreografias de grupo ou a solo sob a iluminação de grandes relâmpagos. O suor e a chuva tropical dissolvem as fronteiras entre o interior e o exterior, lembrando-nos de que o fluxo interno do corpo é um condutor eléctrico que funciona de forma semelhante às sinapses do cérebro – criando novos caminhos e possibilidades que redefinem a consciência. O espírito e os ritmos que atravessam o corpo movem-se em diferentes direcções ao mesmo tempo. O início e o fim da dança tradicional são abandonados em favor da actualização de uma identidade polimorfa marcada por um corpo que, longe de se encontrar em estado pleno, está em experimentação, num constante tornar-se, numa gratificação diferida.
  • Elenco:

    Cecilia Bengolea, Craig Black Eagle, Oshane Overload-Skankaz
  • Título original:

    Lightning Dance
  • País:

    Jamaica
  • Ano:

    2018
  • 6’ Inglês

Horários

Realizador

Cecilia Bengolea

Nascida em Buenos Aires, Cecilia Bengolea estudou formas de dança urbana antes de prosseguir os seus estudos em Dança Antropológica, em Filosofia e em História da Arte na Universidade de Buenos Aires. Em 2001, mudou-se para Paris e realizou a formação Ex.e.r.c.e., dirigida por Mathilde Monnier em Montpellier. Em diálogo com a obra Tristes Trópicos de Lévi-Strauss, a artista co-realizou dois vídeos em 2011: La Beauté (tôt) vouée à se défaire com Donatien Veisman e Cri de Pilaga com Juliette Bineau. Em colaboração com Jeremy Deller, co-realizou o filme RythmAssPoetry (rap) por encomenda da Bienal de Lyon 2015. O segundo filme da dupla, Bombom’s Dream, filmado na Jamaica em 2016, resultou de uma encomenda da Hayward Gallery London e da Bienal de São Paulo 2016. Para a BoCA de 2017, Bengolea apresentou a performance Buss Dem Head com o DJ Nigga Fox no Lux/Frágil e, em 2020, foi convidada a participar na série Homework, projecto desenvolvido pela BoCA no período de confinamento social. Artista multidisciplinar, Cecilia Bengolea concebe a dança e a performance como “escultura animada” e saúda o facto de estas formas lhe permitirem tornar-se “objecto e sujeito ao mesmo tempo”.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.