Lisbon & Estoril Film Festival

Notícias

Luís Noronha da Costa (1942-2020)

Voltar
Em 2012, o LEFFEST abria a sua programação, no
Centro de Congressos do Estoril, com uma exposição de Luís Noronha da Costa: A Representação das Imagens, uma série de pinturas e uma instalação em homenagem a Cézanne, que o artista plástico e pintor criou na ocasião. A inauguração contou com a presença de vários convidados do festival, entre eles as actrizes Fanny Ardant e Ingrid Caven, ou o estilista Emanuel Ungaro.

Para lá de uma obra única no campo das artes plásticas, a sua outra grande paixão foi o cinema, que sempre considerou fundamental no seu percurso estético. E Noronha da Costa foi também um cineasta, autor de uma obra singular. A pintura e o cinema cruzavam-se e criavam uma relação no seu trabalho. Muitas das suas obras são habitadas pelas sombras e ressonâncias de cineastas como Murnau, Dreyer, De Mille, Bresson, Keaton, Lang, Ozu, Monteiro, King Vidor, Nicholas Ray, Stroheim, Schroeter, Syberberg, Warhol ou Terrence Fischer, que defendia apaixonadamente nos textos que também escreveu sobre cinema, sobretudo para a revista Colóquio-Artes, ou para os catálogos da Cinemateca.

Nessa mesma edição, de 2012, o LEFFEST exibiu o seu filme O Construtor de Anjos (1978), com a presença de Noronha da Costa e uma conversa com Bernardo Pinto de Almeida (foi a um livro seu, publicado nesse ano, que se foi buscar, por empréstimo, o título da exposição), e Nuno Júdice, um dos autores do argumento do filme, que teve Acácio de Almeida como director de fotografia.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.