Lisbon & Estoril Film Festival

Notícias

O LEFFEST ‘21 destaca o cinema com assinatura portuguesa

Voltar
Hoje mais do que nunca, é difícil, se não mesmo impossível, estabilizar uma definição estilística do cinema português – que, como é sabido, sempre resistiu às domesticações que lhe foram impostas por via das escolas, das correntes e dos movimentos. Talvez os contornos de um cinema de Portugal coincidam absolutamente com essas únicas fronteiras que ainda são determinantes: as de natureza geográfica, que recortam uma nação. Ainda assim, um facto podemos já constatar após décadas de intensa e variada produção cinematográfica: a feliz desproporção entre o tamanho do país e a importância que este assume na arena internacional do cinema.

Este ano, o LEFFEST convida cinco autores portugueses cujos percursos idiossincráticos lhes valeram o reconhecimento nacional e internacional:

Joaquim Pinto (n. 1957) e Nuno Leonel (n. 1969), notável parceria criativa que se tem revelado decisiva no cinema contemporâneo. Após a aclamação universal do trabalho autobiográfico E Agora? Lembra-me (2013), vencedor dos Prémios Especial do Júri e FIPRESCI no festival de Locarno, a dupla traz-nos este ano a sua nova e monumental trilogia Pathos Ethos Logos (2021), que terá no LEFFEST a estreia nacional;

Leonor Teles (n. 1992), a mais jovem realizadora a vencer o Urso de Ouro da curta-metragem em Berlim, que lhe foi atribuído pela saudável insolência de Balada de um Batráquio (2016). Três dos seus filmes serão exibidos no festival – Rhoma Acans (2012), Cães que Ladram aos Pássaros (2019) e o já mencionado Balada de um Batráquio (2016) – a propósito do ciclo de Celebração da Cultura Rom;

Rodrigo Areias (n. 1978), fundador da produtora Bando à Parte e um criador prolífico, cuja surpreendente obra reúne já mais de duas dezenas de títulos entre curtas, longas e telediscos. Apresenta-nos dois trabalhos que nos proporcionam pistas para compreender a sua densa mitologia pessoal:  Vencidos da Vida (2020) e o documentário inédito Arte da Memória (2021);

Henrique Pina (n. 1987), realizador e produtor de documentários, longas e médias-metragens, entre as quais o impressionante espectáculo de corpos Body-Buildings (2021), vencedor do Prémio Outstanding Achievement no Dance Camera West Film Festival, e o também recente trabalho que comemora os 25 anos da Companhia Olga Roriz, Autópsia: Percurso de Uma Criação (2021). Ambos os filmes, juntamente com o documentário Aires Mateus: Matéria em Avesso (2017), serão mostrados no LEFFEST.

São cinco nomes aos quais correspondem cinemas diversos, com universos referenciais muito próprios. Podemos reuni-los, porém, sob um mesmo desígnio artístico: renovar os temas e os modos de fazer cinema em Portugal.

Entradas para estas e outras sessões à venda brevemente.
Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.